Gestão estratégica do desempenho

A combinação poderosa do 'hard' (metas e estratégia de negócios) e do 'soft' (motivação do funcionário e cultura organizacional): criando uma organização de alto desempenho em tempos de volatilidade econômica

Muitas vezes, os sistemas tradicionais de gestão de desempenho deixam de entregar os objetivos de negócios que se deseja alcançar. De fato, o pior aspecto disso é que uma gestão deficiente de desempenho pode ser vinculada diretamente a resultados baixos de negócio.

Se você ainda opera sistemas de gestão de desempenho de cinco anos atrás ou mais é porque não se adaptou ainda à nova realidade econômica. Mantendo sistemas ultrapassados, você está perdendo a oportunidade de alinhar a estratégia com a cultura para o benefício de toda a organização.

Descompasso na linha de frente

O que acontece na linha de frente de uma organização nem sempre é aquilo que o CEO pretendia quando definiu a estratégia do negócio. Isto ocorre porque as comunicações que saem do topo nem sempre são claramente compreendidas nos níveis abaixo, levando a um descompasso entre a estratégia corporativa e a forma como ela é traduzida em metas individuais ou de equipe.

Em suma, se o 'hard' e o 'soft' não estiverem em harmonia, os resultados serão prejudicados. No entanto, pode-se fazer uma conexão entre esses elementos através da implementação da gestão estratégica de desempenho.

O elemento de ligação que está faltando é o modelo de gestão estratégica de desempenho. Os executivos devem se perguntar como eles realmente querem gerenciar o desempenho. Desejam o crescimento no longo prazo ou ganhos no curto prazo? Que metas devem ser alcançadas e em que prazo? Além disso, como eles querem que os gestores e funcionários trabalhem para alcançá-las?

Saiba mais sobre como conectar o ‘hard’ e o ‘soft’ para criar organizações de alto desempenho clicando aqui para baixar o Sumário Executivo do Hay Group.